%1

Urbano Cavalcante da Silva Filho

CAVALCANTE FILHO, Urbano . A Arquitetônica da Respondibilidade: um rastreio pela elaboração do conceito bakhtiniano. In: AQUINO, Z. G. O.; GONÇALVES SEGUNDO, P. R.; MAREGA, L. M. P.; CAVALCANTE FILHO, U.; SANTOS, T. J. S.; DIOGUARDI, G.. (Org.). A multidisciplinaridade nos estudos discursivos. 1ª ed. São Paulo - SP: Paulistana, 2015, v. 1, p. 500-515.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . Princípios e procedimentos teórico-metodológicos do trabalho com a leitura na universidade. In: NASCIMENTO, Lucas do. (Org.). LEITURA E ESCRITA: o ensino na Alemanha, no Brasil, na França e na Suécia. 1ed. Alemanha: NEA Editores, 2014, v. 1, p. 155-170.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . Gênero discursivo e responsividade da divulgação científica no século XIX: uma leitura bakhtiniana. In: AQUINO, Z. G.O. et al.. (Org.). Linguagem, Estratégia e (Re)Construção. 1ed. São Paulo - SP: Editora Paulistana, 2014, v. 1, p. 292-307.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano ; TORGA, Vânia Lúcia Menezes . O PLURILINGUISMO DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Eutomia (Recife), v. 1, p. 339-358, 2013.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . O Ato Responsível e a Divulgação Científica. In: FRANCO, Kátia Regina; VIDON, Luciano Novais. (Org.). Encontro Bakhtiniano com a Vida, a Cultura e a Alteridade. 1ed. São Carlos - SP: Pedro & João Editores, 2013, v. 1, p. 264-266.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . THE ARCHITECTURE OF BAKHTINIAN ARCHITECTONICS. In: XII Brazilian Studies Association - BRASA, 2014, London - UK. XII Brazilian Studies Association - BRASA. Londres - UK: BRASA, 2014. p. 1-14.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano ; SACRAMENTO, Sandra Maria Pereira do . "A propaganda é a alma do negócio?" Uma proposta linguístico-metodológica de trabalho com o texto publicitário nas aulas de língua materna. In: Gessilene Silveira Kanthack; Eliuse Sousa Silva. (Org.). Leitura e Produção Textual. 1ªed.Ilhéus/BA: Editus, 2012, v. 1, p. 177-199.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . A HETEROGENEIDADE DISCURSIVA NA REALIZAÇÃO ENUNCIATIVA DO GÊNERO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. In: XVI Congresso Nacional de Linguística e Filologia (CNLF) - UERJ, 2012, Rio de Janeiro. Cadernos do CNLF (CiFEFil). Rio de Janeiro - RJ: CIFEFIL, 2012. v. XVI. p. 1.397-1.406.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . O LABOR DISCURSIVO DO ENUNCIADOR DO GÊNERO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: o ato ético na atividade autoral. In: XVI Congresso Nacional de Linguística e Filologia (CNLF) - UERJ, 2012, Rio de Janeiro - RJ. Cadernos do CNLF (CiFEFil). Rio de Janeiro - RJ: CIFEFIL, 2012. v. 4. p. 2.409-2.421.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . A LEITURA NO IFBA: princípios e procedimentos na formação do sujeito leitor na educação profissional e tecnológica. In: VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação - IFTO, 2012, Palmas - TO. Anais Eletrônicos do VII CONNEPI. Palmas - TO, 2012.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano ; TORGA, Vânia Lúcia Menezes . AS CONTRIBUIÇÕES DO CÍRCULO DE BAKHTIN PARA A COMPREENSÃO DO GÊNERO DISCURSIVO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. Litterata - Revista do Centro de Estudos Portugueses Hélio Simões, v. 2, p. 9-41, 2012
 
TORGA, Vânia Lúcia Menezes ; CAVALCANTE FILHO, Urbano . Leitura e Produção de Textos: Gêneros Discursivos e Tipos Textuais. 1ª. ed. Ilhéus/BA: Editus, 2011. v. 2. 281p .
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO GÊNERO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. In: V Colóquio Internacional "Educação e Contemporaneidade" (EDUCIN) - UFS, 2011, Aracaju/SE. Anais do V Colóquio Internacional "Educação e Contemporaneidade" (EDUCON), 2011. p. 1-16.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO GÊNERO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. In: IX Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Estudos do Discurso (ALED) - UFMG, 2011, Belo Horizonte/MG. Anais do IX Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Estudos do Discurso: discursos da América Latina: vozes, sentidos, identidades [CD-ROM]. Belo Horizonte/MG: UFMG, 2011.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . DISCURSO, IDENTIDADE E REPRESENTAÇÃO SOCIAL: uma análise linguístico-discursiva da publicidade turística da Costa do Cacau. In: IX Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Estudos do Discurso (ALED) - UFMG, 2011, Belo Horizonte/MG. Anais do IX Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Estudos do Discurso: discursos da América Latina: vozes, sentidos, identidades [CD-ROM]. Belo Horizonte/MG: UFMG, 2011.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano ; TORGA, Vânia Lúcia Menezes . ENTRE A MEDIAÇÃO E O DESLOCAMENTO: o movimento discursivo dialético do projeto de dizer do divulgador no gênero divulgação científica. In: III Encontro Internacional de Estudos da Linguagem e IV Encontro de Estudos da Linguagem (ENELIN) - Univás, 2011, Pouso Alegre/MG. Anais do ENELIN 2011, 2011. p. 1-9.
 

CAVALCANTE FILHO, Urbano . Responsividade, Responsabilidade e Dialogismo na Experiência Estética e Discursiva do Gênero Divulgação Científica. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção.. (Org.). A Responsividade Bakhtiniana: na Educação, na Estética e na Política. 1ªed. Juiz de Fora/MG: Ed. UFJF, 2011, v. 1, p. 552-559.

 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . O papel do divulgador no gênero discursivo divulgação científica: uma questão ética e estética. In: GEGe - Grupo de Estudos dos Gêneros do Discurso. (Org.). CÍRCULO - Rodas de Conversa Bakhtiniana: Cadernos de Textos e Anotações. 1ªed.São Carlos/SP: Pedro & João Editores, 2010, v. 1, p. 323-326.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . COMO FUNCIONA O DISCURSO DO GÊNERO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA?. In: XIV Congresso Nacional de Linguística e Filologia (CNLF) - UERJ, 2010, Rio de Janeiro - RJ. Cadernos do CNLF (CiFEFil). Rio de Janeiro - RJ: CiFEFiL, 2010. v. XIV. p. 757-770.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . DA CIÊNCIA À DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: natureza e funcionalidade do discurso. In: XIV Congresso Nacional de Linguística e Filologia (CNLF) - UERJ, 2010, Rio de Janeiro - RJ. Cadernos do CNLF (CiFEFil). Rio de Janeiro - RJ: CiFEFiL, 2010. v. XIV. p. 876-891.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . IDENTIDADE, PARÓDIA E DESTERRITORIALIZAÇÃO EM 'AS NAUS' DE ANTONIO LOBO ANTUNES. In: II Seminário Nacional Literatura e Cultura - UFS, 2010, Aracaju/SE. Anais do II Seminário Nacional Literatura e Cultura. Aracaju/SE: GELIC, 2010. v. 2. p. 1-9.
 
VIEIRA JUNIOR, A. ; COSTA, Aline de Caldas ; CAVALCANTE FILHO, Urbano ; ALMEIDA, W. G. ; MATA, Henrique Tomé da Costa . REALIDADE E FICÇÃO EM ILHÉUS BAHIA: o legado artístico de Jorge Amado na perspectiva dos Cursos Superiores de Turismo do seu entorno. Caderno Virtual de Turismo (UFRJ), v. 9, p. 1, 2009.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . IDENTIDADE, HISTÓRIA, PARÓDIA E DESTERRITORIALIZAÇÃO: uma viagem n'As Naus de Antonio Lobo Antunes. Revista Espaço Acadêmico (UEM), v. 9, p. 98, 2009.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . REFLEXÕES SOBRE A LEITURA DO GÊNERO DISCURSIVO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO DESENVOLVIMENTO DA COMPETÊNCIA LEITORA. In: 17º COLE - Congresso de Leitura do Brasil - UNICAMP, 2009, Campinas/SP. Anais do Congresso de Leitura do Brasil. Campinas - SP: ALB, 2009.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . Práticas Educativas I: Oficina de Leitura e Produção Textual na Prática Escolar. 1ª. ed. Ilhéus: Editus, 2009. v. 1. 242p .
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . LEITURA E COMPETÊNCIA LEITORA: o discurso do gênero textual propagandístico nas aulas de língua materna. In: XII Congresso Nacional de Lingüística e Filologia, 2008, Rio de Janeiro. Cadernos do CNLF. Rio de Janeiro - RJ: CiFEFiL. v. XII. p. 41-60.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . TURISMO E COMUNICAÇÃO: aspectos de uma relação intrínseca. In: 2º CULTUR & IV SEMINTTUR, 2008, Ilhéus - BA. Anais do 2º CULTUR e IV SEMINTTUR - Patrimônio Imaterial e Turismo: Novas experiências, valores e percepções, 2008.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . PUBLICIDADE TURÍSTICA: fenômeno social, sistema simbólico e produto cultural - uma abordagem à luz dos Estudos Culturais. In: 2º CULTUR & IV SEMINTTUR, 2008, Ilhéus - BA. Anais do 2º CULTUR e IV SEMINTTUR - Patrimônio Imaterial e Turismo: Novas experiências, valores e percepções, 2008.
 
COSTA, Aline de Caldas ; VIEIRA JUNIOR, A. ; CAVALCANTE FILHO, Urbano ; ÁVILA, Marco Aurélio . NOTAS SOBRE TURISMO CULTURAL: tendências, tensões e usos do patrimônio amadiano em Ilhéus. In: 2º CULTUR & IV SEMINTTUR, 2008, Ilhéus - BA. Anais do 2º CULTUR e IV SEMINTTUR - Patrimônio Imaterial e Turismo: Novas experiências, valores e percepções, 2008.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . GÊNEROS DISCURSIVOS E ENSINO: reflexões e análises em torno do discurso da publicidade. In: XII Congresso Nacional de Lingüística e Filologia - UERJ, 2008, Rio de Janeiro - RJ. Cadernos do CNLF (CiFEFil). Rio de Janeiro - RJ: CiFEFiL, 2008.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . REFLEXÕES SOBRE ORALIDADE, CANDOMBLÉ, SEGREDOS DAS COMUNIDADES DE SANTO: "uma conversa ao pé-do-ouvido". In: IV Encontro Estadual de História - ANPUH/BA, 2008, Vitória da Conquista/BA. Anais do IV Encontro Estadual de História, 2008. p. 1-7.
 

CAVALCANTE FILHO, Urbano ; SILVA, Urmária Cavalcante da . Avaliar para promover ou classificar? Uma leitura da relação entre o discurso e a práxis pedagógica de professores. In: Maria Iza Pinto de Amorim Leite. (Org.). Docência e Pesquisa. 1ed. Vitória da Conquista: Edições Uesb, 2007, v. , p. 258-274. 

 
CAVALCANTE FILHO, Urbano . O TEXTO PUBLICITÁRIO EM SALA DE AULA: uma proposta de leitura e análise do seu discurso.. In: 16º COLE (Congresso de Leitura do Brasil) - UNICAMP, 2007, Campinas. Caderno de Atividades - Resumos. Campinas - SP: Editora da Unicamp, 2007. p. 139-139.
 
CAVALCANTE FILHO, Urbano ; OLIVEIRA JÚNIOR, Osvaldo Barreto . ORALIDADE E CANDOMBLÉ. In: II Encontro Interdisciplinar de Cultura e Educação (INTERCULTE) - Mediações e comunidades: entre o local e o global, 2007, Salvador - BA. Anais do II Encontro Interdisciplinar de Cultura e Educação, 2007.

Artur Daniel Ramos Modolo

 
MODOLO, A. D. R. . Breve panorama da divulgação científica na internet e elementos históricos pelo prisma bakhtiniano. In: Kátia Regina Franco; Luciano Novaes Vidon; Vivian Pinto Riolo. (Org.). II ENCONTRO DE ESTUDOS BAKHTINIANOS VIDA, CULTURA, ALTERIDADE. 1ed.São Carlos: Pedro e João Editores, 2013, v. 1- 3, p. 70-75.
 
MODOLO, A. D. R. . Breve panorama da divulgação científica na internet e elementos históricos pelo prisma bakhtiniano. In: II Encontros de Estudos Bakhtinianos, 2013, Vitória. Anais do II Encontros de Estudos Bakhtinianos, 2013.
 

MODOLO, A. D. R. . Intergenericidade nas Eleições Presidenciais 2010. In: IV Encontro de Pós-graduandos em Estudos Discursivos da USP (EPOG), 2011, São Paulo. Anais do VI Encontro de Pós-Graduandos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP, 2011.

MODOLO, A. D. R. . Hipertextualidade e dialogismo no gênero digital microblog dos candidatos à presidência do Brasil nas eleições 2010. In: Seminário Internacional de Linguística: Discurso, Gênero e Memória, 2011, São Paulo. Anais do IV Seminário Internacional de Linguística: Discurso, gênero e memória (SIL), 2011.
 
 

Michele Pordeus Ribeiro

Disponível online

RIBEIRO, M. P. . La droite et la gauche dans les élections française et brésilienne. Éléments pour une réflexion sur le lien entre discours, culture et événement . mediAzioni, v. 15, p. 1-16, 2013. Disponível em: http://mediazioni.sitlec.unibo.it.

RESUMO

Nous proposons, dans la présente contribution, d’aborder la question du rapport entre discours et événement sous un angle contrastif. À partir de l’analyse d’un corpus composé d’articles de presse produits en France et au Brésil sur des élections présidentielles, nous essaierons de montrer l’importance de facteurs culturels dans la construction discursive d’événements politiques. Quelques considérations sur la façon dont nous abordons la notion d’événement dans ce travail serviront de préambule à l’analyse proprement dite, celle-ci fondée sur la place du clivage droite / gauche dans les corpus français et brésilien. Les résultats de l’analyse seront, par la suite, éclairés à la lumière de quelques études en science politique.

 
Demais publicações
 
BRUNNER P. et RIBEIRO M.P., 2015, « Re-writing operations and their effects of meaning », In: Cislaru G. (éd.), Writing(s) at the Crossroads: The process-product interface, Amsterdam, John Benjamins Publishing, p. 81-98.
 
CLAUDEL, C. (Org.) ; MUNCHOW, P. V. (Org.) ; PUGNIERE-SAAVEDRA, F. (Org.) ; TREGUER-FELTEN, G. (Org.) ; PORDEUS RIBEIRO, M. (Org.) . Cultures, discours, langues. Nouveaux abordages. 1. ed. Limoges: Lambert-Lucas, 2013. v. 1. 230p .

 

CLAUDEL, C. ; MUNCHOW, P. V. ; RIBEIRO, M. P. ; PUGNIERE-SAAVEDRA, F. ; TREGUER-FELTEN, G. . Langue, discours, culture : vingt ans de recherche en comparaison . In: CLAUDEL C.; von MÜNCHOW P.; PORDEUS RIBEIRO M.; PUGNIÈRE-SAAVEDRA F. et TRÉGUER-FELTEN G.. (Org.). Cultures, discours, langues. Nouveaux abordages. 1ed.Limoges: Lambert-Lucas, 2013, v. , p. 15-45.
 
DONOT, M. (Org.) ; RIBEIRO, M. P. (Org.) . Discours politiques en Amérique latine. Représentations et imaginaires. 1. ed. Paris: L'Harmattan, 2012. 298p .

 

RIBEIRO, M. P. . Le clivage droite/gauche dans les discours des presses française et brésilienne. In: Donot, M.; Pordeus Ribeiro, M.. (Org.). Discours politiques en Amérique latine. Représentations et imaginaires. 1ed.Paris: L'Harmattan, 2012, v. , p. 179-194.

 

DONOT, M. ; RIBEIRO, M. P. . Les notions de représentation et d imaginaire à l aune de l analyse des discours politiques. In: Donot, M.; Pordeus Ribeiro, M.. (Org.). Discours politiques en Amérique latine. Représentations et imaginaires. 1ed.Paris: L'Harmattan, 2012, v. , p. 21-33.
 
RIVERA, C. ; BRUNNER, P. ; CHAVES, A. ; PORDEUS RIBEIRO, M. . La notion de terrain de recherche : une perspective renouvelée pour l analyse du discours. In: PUGNIÈRE-SAAVEDRA Frédéric; SITRI Frédérique; VENIARD Marie. (Org.). L Analyse du discours dans la société. Engagement du chercheur et demande sociale. 1ed.Paris: Honoré Champion, 2012, v. , p. 141-161.
 
PORDEUS RIBEIRO, M. . Travailler dans l interdisciplinarité : quelles conséquences pour la recherche ? L' exemple de la notion de représentation en analyse du discours. In: 11èmes Rencontres des Jeunes Chercheurs de l École Doctorale 268, 2008, Paris. Actes des 11èmes Rencontres des Jeunes Chercheurs de l École Doctorale 268, 2008. p. 97-101.
 

Simone Ribeiro de Avila Veloso

 

VELOSO, SIMONE RIBEIRO DE AVILA . A Responsividade do leitor no gênero -Carta do Leitor- na mídia impressa de referência: Análise de polêmicas discursivas na perspectiva bakhtiniana. Filologia e Linguística Portuguesa, v. 15, p. 565-594, 2014.

VELOSO, S. R. A. . Polêmicas discursivas e réplicas dialógicas: refrações reveladoras de posicionamentos discursivos. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), v. 40, p. 1597-1609, 2011.

VELOSO, S. R. A. . Polêmicas discursivas: refrações da palavra do outro na arena do Roda Viva. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. 1, p. 20-33, 2011.

VELOSO, S. R. A. . A noção bakhtiniana de gênero intercalado em análise diacrônica do programa Roda Viva. In: Veloso, S R A. (Org.). O gênero em diferentes abordagens teóricas. São Paulo: Paulistana, 2011, v. 01, p. -.

VELOSO, S. R. A. . Polêmica aberta e polêmica velada: refrações discursivas em análise diacrônica do Roda Viva. In: SILVA, C. L. da C. R.; PIRIS, E. L.;CARLOS, J. T.. (Org.). Abordagens metodológicas em estudos discursivos. São Paulo: Paulistana, 2010, v. 1, p. 198-214.

VELOSO, S. R. A. . O discurso bivocal no programa Roda Viva: modos de realização das vozes constitutivas da divulgação do saber científico. In: IV Congresso Internacional da ABRALIN, 2009, João Pessoa -PB. Anais do VI Congresso Internacional da ABRALIN, 2009. v. 1. p. 2733-2741.
 
GRILLO, S.V.C ; VELOSO, S. R. A. . Diálogos entre Maingueneau e o Círculo de Bakhtin. Filologia e Lingüística Portuguesa, v. 9, p. 229-250, 2008.
 

VELOSO, S. R. A. . Sobre a dimensão sócio-discursiva do ethos construído em gênero entrevista impressa pela revista Veja. In: Práticas escritas na escola: letramento e representação, 2006, São Paulo. Práticas escritas na escola: letramento e representação. São Paulo: FFLCH/USP Convênio Capes - Cofecub, 2006. v. 1 CD. p. 293-300.

VELOSO, S. R. A. . A constituição do ethos discursivo em gênero entrevista. Intercâmbio (CD-ROM), v. XV, p. 43, 2006.

 

Ekaterina Vólkova Américo

Disponível online

AMÉRICO, EKATERINA VÓLKOVA. Fiódor Dostoiévski pelo viés lotmaniano. RUS (São Paulo), v. 6, p. 36, 2015. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rus/article/view/108590/106884;

VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Iúri Lotman e a Escola de Tártu-Moscou. Galáxia (PUCSP), v. 14, p. 123-140, 2015. Disponível em : revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/20156/16749

VÓLKOVA AMÉRICO, E. . A semiótica de Iúri Lotman e a linguagem do cinema. Cadernos de pesquisa Kinoruss, v. 5, p. 129-166, 2014. Disponível em: http://issuu.com/kinoruss/docs/cadernos_kinoruss_kinoruss_5

VÓLKOVA AMÉRICO, E. . O conceito de tradução na obra de Iúri Lotman: entre intraduzibilidade e liberdade. Tradterm, v. 24, p. 17-33, 2014. Disponível em: www.revistas.usp.br/tradterm/article/view/96128/95350

GRILLO, S. V. C. ; VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Idei 'bakhtínskogo kruga' v Brazílii (Ideias do 'Círculo de Bakhtin' no Brasil).. Filosófskie Nauki, v. 2, p. 84-94, 2013. Disponível em: http://www.hse.ru/data/2013/11/29/1291453280/fn_02_2013.pdf

VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Iúri Lotman: entre biografia e obra. Caderno de Literatura e Cultura Russa, v. 2, p. 67-86, 2013. Disponível em: http://www.usp.br/rus/images/edicoes/Rus_n02/10_VOLKOVA-E-Iuri-Lotman-rev.pdf

Demais publicações

VÓLKOVA AMÉRICO, E.. As fronteiras entre o folclore e a literatura no ensaio 'O folclore como forma específica de arte' de Piotr Bogatyriov e Roman Jakobson. Boitatá, v. 18, p. 114-133, 2014; . Disponível em :http://revistaboitata.portaldepoeticasorais.com.br/site/arquivos/revistas/1/7.EKATERINA%20V__LKOVA%20AM__RICO%20AS%20FRONTEIRAS%20ENTRE%20O%20FOLCLORE%20%20E%20A%20LITERATURA.pdf.

VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Galin Tihanov. Narrativas do exílio: Cosmopolitismo além da imaginação liberal (Resenha). Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. 9, p. 217-222, 2014.
 
GRILLO, S. V. C. ; VÓLKOVA AMÉRICO, E. . As traduções brasileiras de Bakhtin, Medviédev e Volóchinov. In: Brait,Beth; Magalhães, A. S.. (Org.). Dialogismo: teoria e(m) prática. 1ed.São Paulo: Terracota, 2014, v. , p. 75-92.
 
VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Mikhail Bakhtin e Iúri Lotman: um diálogo no contexto. In: Luciane de Paula. (Org.). Discursos em perspectiva: humanidades dialógicas. 1ed.São Paulo: Mercado de Letras, 2014, v. , p. 80-.
VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Pável Sanáeiv. Enterrem-me Atrás do Rodapé (Resenha). RUS - Revista de Literatura e Cultura Russa, v. 4, p. 106-108, 2014.

VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Jersua Pires Ferreira. Matrizes impressas do oral: Conto russo no sertão (Resenha). Tradterm, v. 24, p. 365-369, 2014.

VÓLKOVA AMÉRICO, E. . História e cultura na obra de Iúri Lotman. In: VII Simpósio Nacional de História Cultural, 2015, São Paulo. FREITAS, Talitta Tatiane Martins. (Org.). Anais do VII Simpósio Nacional de História Cultural: Escrita, circulação, leituras e recepções. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2014.

VÓLKOVA AMÉRICO, E. . As fronteiras entre o folclore e a literatura no ensaio 'O folclore como forma específica de arte' de Piotr Bogatyriov e Roman Jakobson. Boitatá, v. 18, p. 114-133, 2014.
 
VÓLKOVA AMÉRICO, E. ; FERNANDES, Glaucia . Fale tudo em russo!. 1. ed. São Paulo: Disal, 2013.

GRILLO, S. V. C. ; VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Bakhtin, Vinográdov e a estilística. In: Mikhail Bakhtin. Questões de estilística no ensino da língua. 1ed.São Paulo: 34, 2013, v. , p. 93-116.

GRILLO, S. V. C. ; VÓLKOVA AMÉRICO, E. . Mikhail Bakhtin. Questões de estilística no ensino da língua (tradução, organização e notas). 1. ed. São Paulo: 34, 2013.

GRILLO, S. V. C. ; VÓLKOVA AMÉRICO, E. . P. N. Medviédev. O método formal nos estudos literários (tradução, organização e notas). 1. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

Sheila Vieira de Camargo Grillo

Artigos completos publicados em periódicos

GRILLO, S. V. C.; GLUSHKOVA, Maria . A divulgação científica no Brasil e na Rússia: um ensaio de análise comparativa de discursos. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. 11, p. 69-72, 2016. http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/23556/19236


GRILLO, S. V. C.; GIERING, M. E. ; MOTTA-ROTH, D. . Editorial. Perspectivas discursivas da divulgação/popularização da ciência. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. 11, p. 3-13, 2016. http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/27166/19228

GRILLO, S. V. C. ; AMERICO, E. V. . Idei 'bakhtinskogo kruga' v Brasilii (Ideias do 'círculo bakhtiniano' no Brasil). Filossófskie nauki, v. 2, p. 84-94, 2013.

GRILLO, S. V. C. . FUNDAMENTOS BAKHTINIANOS PARA A ANÁLISE DE ENUNCIADOS VERBO-VISUAIS. Filologia e Linguística Portuguesa, v. 14, p. 233-244, 2012.

GRILLO, S. V. C. . Enunciados verbo-visuais na divulgação científica. Revista da ANPOLL, v. 27, p. 215-243, 2010.

Macedo, Carolina Cristóvão ; GRILLO, S. V. C. . Dialogismo e construção composicional em reportagens da revista Superinteressante. Alfa : Revista de Linguística (UNESP. São José do Rio Preto. Online), v. 54, p. 59-80, 2010.

GRILLO, S. V. C. . Scientific American Brasil: esquemas ilustrativos e divulgação da ciência. Scripta (PUCMG), v. 13, p. 137-148, 2010.

GRILLO, S. V. C. . Dimensão verbo-visual de enunciados de Scientific American Brasil. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. 1, p. 8-22, 2009.

GRILLO, S. V. C. ; VELOSO, S. R. A. . Diálogos entre Maingueneau e o Círculo de Bakhtin. Filologia e Lingüística Portuguesa, v. 9, p. 229-250, 2008.

GRILLO, S. V. C. ; BOUQUET, Simon . Mikhaïl Bakhtine. Enjeux et perspectives épistémologiques d une linguistique des genres. Linx (Nanterre), v. 56, p. 7-18, 2008.

GRILLO, S. V. C. . Épistémologie et genres du discours dans le Cercle de Bakhtine. Linx (Nanterre), v. 56, p. 19-38, 2008.

GRILLO, S. V. C. . Gêneros primários e gêneros secundários no círculo de Bakhtin: implicações para a divulgação científica. Alfa (ILCSE/UNESP), v. 52, p. 57-79, 2008.

GRILLO, S. V. C. . A metalingüística: por uma ciência dialógica da linguagem. Horizontes (Bragança Paulista), v. 24, p. 121-128, 2007.

GRILLO, S. V. C. ; OLIMPIO, A. M. . Gêneros do discurso e ensino. Filologia e Lingüística Portuguesa, v. 8, p. 379-390, 2007.

GRILLO, S. V. C. . A noção de 'tema do gênero' na obra do Círculo de Bakhtin. Estudos Lingüísticos (São Paulo), v. 1, p. 1825-1834, 2006.

GRILLO, S. V. C. . A divulgação científica na esfera midiática. Intercâmbio (CD-ROM), v. 15, p. 1-10, 2006.

GRILLO, S. V. C. . A oralidade no jornalismo impresso. Linha d' Água, São Paulo, v. 17, p. 77-86, 2005.

GRILLO, S. V. C. . A ciência na mídia e na escola. Intercâmbio (CD-ROM), São Paulo, 2005.

GRILLO, S. V. C. . A noção de campo nas obras de Bourdieu e do círculo de Bakhtin: suas implicações para a teorização dos gêneros do discurso. Revista da ANPOLL, São Paulo, v. 19, p. 151-184, 2005.

GRILLO, S. V. C. . Polifonia e transmissão do discurso alheio no gênero reportagem. Estudos Lingüísticos XXXIV, Campinas, v. 1, 2005.

GRILLO, S. V. C. . Bourdieu e os lingüistas: a discussão dos conceitos de língua, comunicação e gramaticalidade. Estudos Lingüísticos (São Paulo), Campinas, 2004.

GRILLO, S. V. C. ; LAPLANE, Adriana Lia Friszman ; DOBRANSKY, E. A. . Mídia impressa e educação científica: uma análise das marcas do funcionamento discursivo em três publicações. Cadernos do CEDES (UNICAMP), Campinas, v. 24, n.63, p. 215-236, 2004.

GRILLO, S. V. C. . Função dos gêneros e metodologia na constituição do corpus em análise do discurso. Estudos Lingüísticos (São Paulo), Taubaté, v. 32, p. 100-110, 2003.

GRILLO, S. V. C. . Confrontos e confluências entre a sociologia da linguagem de Bourdieu e teorias lingüísticas. Horizontes (Bragança Paulista), Bragança Paulista, v. 20, p. 49-58, 2003.

GRILLO, S. V. C. . A estreita convivência entre notícia e anúncios na página dos jornais. INTERCOM (São Paulo), São Paulo, v. XXVI, n.1, p. 47-64, 2003.

GRILLO, S. V. C. . Manuais de Redação e Estilo: gêneros do discurso, linguagem e objetividade na imprensa. The Especialist, São Paulo, v. 24, p. 85-110, 2003.

GRILLO, S. V. C. . Formação do professor em serviço: percorrendo um caminho. Educação & Liberdade, Campinas, v. 01, p. 38-40, 1996.

GRILLO, S. V. C. . Escrever se aprende reescrevendo: um estudo da interação professor/aluno na revisão de textos. Sínteses, UNICAMP, v. 1, p. 127-136, 1996.

Livros publicados

GRILLO, S. V. C. ; AMERICO, E. V. . BAKHTIN, M.M. Questões de estilística no ensino da língua (tradução, posfácio e notas). 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2013. 120p .
 
GRILLO, S. V. C. ; AMERICO, E. V. . O método formal nos estudos literários. Introdução crítica a uma poética sociológica. (P. N. Medviédev). Tradução, notas e prefácio. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2012. v. 1. 269p.
 
BOUQUET, Simon (Org.) ; GRILLO, S. V. C. (Org.) . Linguistique des genres. Le programme de Bakhtine et ses perspectives contemporaines. 56. ed. Paris: Paris X, 2008. v. 1. 207p .
 
GRILLO, S. V. C. . A produção do real em gêneros do jornal impresso. 1. ed. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2004. v. 1. 248p .
 
GRILLO, S. V. C. ; GRANJA, Lúcia . Linguagem: trabalho e construção. 1. ed. São Paulo: Pueri Domus Escolas Associadas, 2001. v. 1. 32p .

Capítulos de livros publicados

GRILLO, S. V. C. ; Costa, Luiz Rosalvo . Gêneros jornalísticos na perspectiva bakthiniana. In: Lia Seixas; Najara Ferrari Pinheiro. (Org.). Gêneros: um diálogo entre comunicação e linguística. 1ed.Florianópolis: Insular, 2014, v. 1, p. 147-171.
 
GRILLO, S. V. C. ; AMERICO, E. V. . As traduções brasileiras de Bakhtin, Medviédev e Volóchinov. In: Beth Brait; Anderson Salvaterra Magalhães. (Org.). Dialogismo: teoria em prática. 1ed.: , 2014, v. 1, p. 75-90.
 
MODOLO, A. R. ; GRILLO, S. V. C. . Discursos sobre o letramento digital e o uso de tecnologias na escola. In: Juscelino Pernambuco; Maria Flávia Figueiredo; Camila de Araújo Beraldo Ludovice; Fernando Aparecido Ferreira. (Org.). Textos: sentidos, leituras e circulação. 1ed.Franca: Editora da UNIFRAN, 2014, v. 9, p. 35-62.
 
GRILLO, S. V. C. ; AMERICO, E. V. . Bakhtin, Vinográdov e a estilística. In: GRILLO, S.V.C.; AMÉRICO, E.V.. (Org.). Questões de estilística no ensino da língua. 1ed.São Paulo: Editora 34, 2013, v. 1, p. 93-116.
 
GRILLO, S. V. C. . A obra em contexto: tradução, história e autoria. In: Pável Nikoáevitch Medviédev. (Org.). O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. São Paulo: Contexto, 2012, v. , p. 19-38.
 
GRILLO, S. V. C. . Dialogismo e construção composicional em reportagens de divulgação científica de pesquisa FAPESP. In: Grenissa Stafuzza; Luciane de Paula. (Org.). Círculo de Bakhtin - diálogos in-possíveis. 1ed.Campinas: Mercado de Letras, 2011, v. 1, p. 49-68.
 
GRILLO, S. V. C. . Intersubjetividade, linguagem e gênero discursivo no círculo de Bakhtin. In: Arnaldo Cortina; Sílvia M.G. da C. Nasser. (Org.). Sujeito e linguagem. 1ed.São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010, v. , p. 133-146.
 
GRILLO, S. V. C. ; FERRAZ, F. S. M. . A divulgação científica: uma abordagem dialógica do enunciado. In: Elis Almeida Cardoso Caretta; Beatriz Daruj Gil; Valéria Gil Colnde. (Org.). Modelos de análise linguística. 1ed.São Paulo: Contexto, 2009, v. 1, p. 135-152.
 
GRILLO, S. V. C. . O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. In: Beth Brait. (Org.). Bakhtin e o Círculo. 1ed.São Paulo: Contexto, 2009, v. 2, p. 73-96.
 
GRILLO, S. V. C. . Esfera e campo. In: Beth Brait. (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. 1ed.São Paulo: Contexto, 2006, v. , p. 133-160.
 
GRILLO, S. V. C. . Discurso alheio: polifonia e apreensão. In: Luiz Antônio da Silva. (Org.). A língua que falamos. Português: história, variação e discurso. 1ed.São Paulo: Globo, 2005, v. , p. 73-104.
 
GRILLO, S. V. C. ; CARDOSO, F. M. . As condições de produção/recepção dos gêneros discursivos em atividades de leitura de livros didáticos de língua portuguesa do ensino fundamental. In: ROJO, Roxane; BATISTA, Antônio Augusto Gomes Batista. (Org.). Livro didático de língua portuguesa, letramento e cultura da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2003, v. , p. 101-124.

Demais tipos de produção bibliográfica

MEDVIÉDEV, P. N. O método formal nos estudos literários. Introdução crítica a uma poética sociológica. Trad. Sheila V.C. Grillo e Ekaterina V. Américo. São Paulo: Contexto, 2012. (Tradução).

GRILLO, S. V. C. ; AMERICO, E. V. . Idei 'bakhtinskogo kruga' v Brasilii (Ideias do 'círculo bakhtiniano' no Brasil). Filossófskie nauki, v. 2, p. 84-94, 2013.

GRILLO, S. V. C. . FUNDAMENTOS BAKHTINIANOS PARA A ANÁLISE DE ENUNCIADOS VERBO-VISUAIS. Filologia e Linguística Portuguesa, v. 14, p. 233-244, 2012.

GRILLO, S. V. C. . Enunciados verbo-visuais na divulgação científica. Revista da ANPOLL, v. 27, p. 215-243, 2010.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos

GRILLO, S. V. C. . O corpo exterior do cientista: ethos e repreentação em enunciados verbo-visuais de divulgação científica. In: III Simpósio Internacional sobre Análise do Discurso, 2008, Belo Horizonte. Anais do III Simpósio Internacional sobre Análise do Discurso. Belo Horizonte: UFMG, 2008. v. 1. p. 1-11.
 
GRILLO, S. V. C. . Campos e gêneros da divulgação científica. In: 1º Simpósio Internacional Sobre práticas escritas na escola: letramento e representação, 2006, São Paulo. Práticas escritas na escola: letramento e representação. São Paulo: DLCV-FFLCH-USP, 2006. p. 77-92.
 
GRILLO, S. V. C. . O dialogismo constitutivo da divulgação científica. In: Eleventh International Bakhtin Conference, 2003, Curitiba. Proceedings of the Eleventh International Bakhtin Conference. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2003. p. 358-365.
 
GRILLO, S. V. C. . Gêneros do discurso e persuasão: a publicidade na imprensa e a imprensa na publicidade. In: II Simpósio Internacional sobre Análise do Discurso: discurso ação e sociedade, 2002, Belo Horizonte. Anais do II Simpósio Internacional sobre Análise do Discurso: discurso ação e sociedade. Belo Horizonte: Anchor Comunicação & Multimídia, 2002.
 
GRILLO, S. V. C. . Uma carta ao prefeito. In: XLIV GEL - Grupo de Estudos Lingüísticos do Estado de São Paulo, 1997, Taubaté. Estudos Lingüísticos XXVI Anais de Seminários do GEL. Campinas: Unicamp/Fapesp/Gel, 1996. v. 1. p. 537-543.
 
GRILLO, S. V. C. . PetroleirosXImprensa: um dia da greve dos petroleiros nos jornais Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo. In: II Encontro Franco-Brasileiro de Análise do Discurso, 1997, Rio de Janeiro. Anais do II Encontro Franco-Brasileiro de Análise do Discurso. Rio de Janeiro: Círculo Interdisciplinar de Análise do Discurso da Faculdade de Letras da UFRJ, 1996. v. 1. p. 235-239.
 
Reedição de tradução

GRILLO, S. V. C.; AMERICO, E. V. . BAKHTIN, M.M. Questões de estilística no ensino da língua (tradução, posfácio e notas- reimpressão). 2a.. ed. SAO PAULO: Editora34, 2015.

Flávia Silvia Machado

Disponível online

MACHADO, F. S.Le sens et la production du réel dans l’absurde : une contribution de l’analyse du discours, In: Annales du Colloque Poétiques de l’Absurde en dialogues, Université de Poitiers, Poitiers (no prelo), 2018.

MACHADO, F. S. O português no ciberespaço : uma proposta discursiva para o aprendizado de PLE/PL2, dans ARAÚJO, V. C., Anais do Simpósio SIPLE 2015 : o português em espaços multilíngues. Londrina, 2017.

MACHADO, F. S. A divulgação científica e o enunciado digital. In: Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, v.11, n.2. São Paulo, 2016. Disponível em : http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/23524

MACHADO, F. S. Descobertas científicas na internet: uma análise dialógica do blog “Cientistas descobriram que...”. In: EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação. Ilhéus, 2016.

MACHADO, F.S. Hipertextualidade: uma abordagem bakhtiniana sobre relações dialógicas entre enunciados em rede. Tese de doutorado – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-14032013-095711/pt-br.php

MACHADO, F. S. . BRETON, Philippe. Como convencer? Da comunicação argumentativa à manipulação, 2012. (Tradução/Artigo). Disponível em: http://www.uesc.br/revistas/eidea/revistas/revista3/eidea3-09.pdf

MACHADO, F. S. . Resenha da obra VOLOCHINOV, Valentin Nikolaevich. Marxisme et philosophie du langage. Trad. Patrick Sériot et Inna Tylkowski-Ageeva. Limoges: Lambert Lucas, 2010, 600 p.. São Paulo 2011 (Resenha).Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/4904/5082

MACHADO-FERRAZ, F. S. . Gêneros digitais e a hipertextualidade. Revista do GEL (Araraquara), v. 7, p. 127-144, 2010.  Disponível em:http://revistadogel.gel.org.br/rg/article/viewFile/84/64

MACHADO-FERRAZ, F. S. . Hipertextualidade e gêneros da divulgação científica na internet. Versión: Estudios de comunicación y política, v. 22, p. 271-284, 2009. Disponível em: http://version.xoc.uam.mx/MostrarPDF.php?id_host=6&tipo=ARTICULO&id=6492&archivo=7-444-6492zpn.pdf&titulo=Hipertextualidade%20e%20g%C3%AAneros%20da%20divulga%C3%A7%C3%A3o%20cient%C3%ADfica%20na%20internet

MACHADO-FERRAZ, F. S. . A hipertextualidade enquanto instância dialógica do enunciado. In: II Encontro Nacional sobre Hipertexto, 2009, Belo Horizonte. Anais Hipertexto 2009. p. 1-13.Disponível em: https://www.ufpe.br/nehte/hipertexto2009/anais/a/_a-hipertextualidade-enquanto-instancia-flavia.pdf

MACHADO-FERRAZ, F. S. . Hipertexto digital e gêneros discursivos. Estudos Lingüísticos (São Paulo), v. XXXVI, p. 91-99, 2007. Disponível em: http://www.gel.org.br/estudoslinguisticos/edicoesanteriores/4publica-estudos-2007/sistema06/85.PDF

MACHADO-FERRAZ, F. S. Gêneros da divulgação científica na internet. Dissertação de mestrado – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-01112007-140734/pt-br.php

Demais publicações

MACHADO, F. S. . Cours de portugais - CNED (Centre Nationale d'Enseignement à Distance). 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Livro didático).

MACHADO, F. S. . Gramática para concurso público - INTEB. 2014. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Livro didático).

GRILLO, Sheila V. de Camargo ; MACHADO-FERRAZ, F. S. . A divulgação científica: uma abordagem dialógica do enunciado. In: Beatriz Daruj Gil, Elis de Almeida Cardoso, Valéria Gil Condé. (Org.). Modelos de análise lingüística. São Paulo: Contexto, 2009, v. , p. 135-152.
 
Cunha, C. L. (Org.) ; MACHADO-FERRAZ, F. S. (Org.) ; GARCIA, B. R. V. (Org.) ; Piris, Eduardo Lopes (Org.) ; Segundo, P. R. (Org.) . Análises do Discurso: o diálogo entre as várias tendências na USP. 1. ed. São Paulo: Editora Paulistana, 2009. v. 1.
 
MACHADO-FERRAZ, F. S. . Relações dialógicas em reportagens de divulgação científica impressas e digitais. In: GARCIA, B.R.V.; CUNHA, C.L.; PIRIS, E.L.; FERRAZ, F.S.M.; GONÇALVES SEGUNDO, P.R.. (Org.). Análises do Discurso: o diálogo entre as várias tendências na USP. 1ed.São Paulo: Editora Paulistana, 2009.

Inti Anny Queiroz

Disponível online

QUEIROZ, I. A. . Projeto cultural: as especificidades de um novo gênero do discurso. 2014. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, University of São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-30092014-183842/>.

QUEIROZ, I. A. . O nariz de Gógol e o riso. REEL. Revista Eletrônica de Estudos Literários, v. 13, p. 1-11, 2013. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/reel/article/view/6175.

QUEIROZ, I. A. . Afixos, neologismos e construção de sentido no poema de Haroldo de Campos Alea 1 Variações Semânticas. Interletras (Dourados), v. 3, p. 1-9, 2013. Disponível em: https://scholar.google.com.br/citations?view_op=view_citation&hl=en&user=mUOy8IgAAAAJ&citation_for_view=mUOy8IgAAAAJ:9yKSN-GCB0IC

QUEIROZ, I. A. . As leis de incentivo a cultura em São Paulo: panorama estadual e municipal. Pensamento & Realidade, v. 28, p. 106-119, 2013. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/pensamentorealidade/article/view/17985
 

Demais publicações

QUEIROZ, I. A. . A constituição do sujeito moderno em Buriti, Claro Enigma e São Bernardo. Revista linguagem, educação e memória, v. 2, p. 1, 2012.

QUEIROZ, I. A. . Análise diacrônica dos pronomes pessoais e pronomes de tratamento na língua portuguesa. Letra Magna, v. 07, p. 2, 2011.
 

QUEIROZ, I. A. ; Zanelato, J. ; Oliveira, K. . Análise da Conversação em uma entrevista: Interação entre falantes. Revista Anagrama (USP), v. 3, p. 1-14, 2008.

 

Arlete Machado Fernandes Higashi

Disponível online

Oliveira, Ana Fabro de ; HIGASHI, A. M. F. . A divulgação científica nas esferas literária e jornalística. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), v. 40, p. 1218-1230, 2011. Disponível em: http://www.gel.org.br/estudoslinguisticos/volumes/40/el.2011_v3_t03.red6.pdf

HIGASHI, A. M. F. . Ciência e literatura em textos infantis de Angelo Machado. 2010. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-31012011-104437/>. 

Conceitos de “forma arquitetônica” e “autoria” em discussão na 1a Reunião de 2015 do subgrupo de pesquisa bakhtiniana da USP

por Inti Queiroz e Sheila Grillo

O primeiro encontro do ano do subgrupo de pesquisa bakhtiniana da USP, grupo Teoria Bakhtiniana (GEDUSP/CNPq), foi realizado no dia 06 de março de 2015 sob a coordenação da Profa. Dra. Sheila Vieira de Camargo Grillo.

Estavam presentes, além da coordenadora do grupo, os pesquisadores Arlete Fernandes Higashi, Inti Queiroz, Luiz Rosalvo Costa, Simone Ribeiro Veloso e a pesquisadora convidada da Universidade de São Petersburgo, a Dra. Maria Glushkova que atualmente está desenvolvendo uma pesquisa de pós-doc no Brasil.

Esta primeira reunião do ano tratou da discussão dos conceitos teóricos de autoria e forma arquitetônica no Círculo de Bakhtin. Utilizamos as leituras das obras: “O método formal nos estudos literários” (P. Medviédev) e “O problema do conteúdo, do material e da forma nos estudos literários” (M.M. Bakhtin). Os conceitos foram escolhidos visando não apenas ao retorno do grupo à discussão dos textos do Círculo, mas também a auxiliar na reflexão para a escrita de um artigo da estudante de doutorado Inti Queiroz.

Os conceitos supracitados foram anteriormente discutidos pelo grupo de pesquisa no ano de 2012, quando realizamos a primeira leitura em conjunto do texto “O problema do conteúdo do material e da forma nos estudos literários” (links para as discussões anteriores elencados no final deste artigo).

Ainda que deixemos de lado os debates sobre a autoria desses textos do Círculo e a suposta proximidade histórica de escrita , a leitura conjunta destas duas obras nos remete diretamente às reflexões sobre autoria. Não é nossa pretensão, neste momento, discutir a autoria das obras, porém, as diferenças de autoria e a historicidade de ambas são perceptíveis em cada uma de suas páginas e, de certo modo, chama atenção em nossas leituras.

É perceptível que o principal diálogo entre as duas obras é a abordagem crítica que ambas praticam ao que Bakhtin chama de estética material, isto é, o olhar dos formalistas russos para a criação artística.

Nesta breve reflexão, buscaremos trazer um pouco do que foi discutido em nossa reunião, visando especialmente a tratar dos dois conceitos presentes nestas obras: autoria e forma arquitetônica.

A condução da leitura das obras foi iniciada pela doutoranda Inti Queiroz que tratou do ponto central de debate sobre a crítica à estética material dos formalistas russos e como isso auxiliou aos dois teóricos, tanto Mikhail Bakhtin, quanto Pavel Medviédev em suas reflexões de construção das teorias do Círculo, em especial no que se refere aos conceitos teóricos em questão. A Prof. Dra Sheila Grillo completou as reflexões relativas às duas obras, buscando também a interação e participação dos outros membros do grupo de pesquisa. 

O problema do conteúdo, do material e da forma nos estudos literários – M. M. Bakhtin

Inti Queiroz

Para os formalistas russos, a análise estética da criação verbal deveria estar condicionada à análise técnica da linguística e à primazia do material. A proximidade com o futurismo e com o positivismo da época conduziram as reflexões dos formalistas russos da primeira fase a estabelecer a análise estética, em que o material, visto como motivação da criação artística, orientava a forma do objeto estético. A forma é compreendida como forma do material. Transforma-se em sua “ordenação anterior isenta de momento axiológico”.

Tanto Bakhtin quanto Medviédev buscaram desconstruir esta abordagem estética material e alguns dos conceitos que permeiam este debate são justamente os conceitos de forma arquitetônica e autoria. Para Bakhtin, a estética material não pode estabelecer a diferença essencial entre o objeto estético e a obra exterior, entre as ligações no interior do objeto, pois a todo o momento existe uma tendência a misturar estes elementos. Bakhtin evidencia que a análise estética deve ser orientada para o que representa a obra, para a atividade estética do artista e do expectador, contemplador. Essa análise deve levar em conta:

  • Objeto estético – conteúdo da atividade estética.

  • Objeto estético arquitetônico – estrutura puramente artística do objeto estético (singularidade da obra).

  • Obra na sua realidade original puramente cognitiva (científica) linguística e independente do objeto estético.

  • Obra exterior (material) – objeto estético a ser realizado como aparato técnico da realização estética.

Para proceder a análise estética, Bakhtin sugere a utilização do Método Teleológico que visa a compreender a obra exterior (material) e compreender a composição da obra (material / formal/ realização), isto é, compreender o conjunto de fatores da impressão artística e sua realização.

Por meio dos conceitos de forma composicional e forma arquitetônica, Bakhtin apresenta a visão do Círculo em relação à forma ainda na primeira parte do texto. Chama atenção sobre o gênero romance como uma possibilidade de forma arquitetônica da realização artística de um acontecimento histórico. Diferencia os dois tipos de forma com o exemplo de que o drama seria uma forma composicional, enquanto a trágico e o cômico seriam formas arquitetônicas. Com isso, busca comprovar que cada forma arquitetônica é realizada por meio de formas composicionais definidas.

São formas puramente arquitetônicas: o humor, a heroificação, o tipo, o caráter. São formas de gênero puramente composicionais: o poema, o conto, a novela, o lírico e o romance. São articulações puramente composicionais: o capítulo, a estrofe, o verso. O ritmo na poesia pode ser tanto uma forma composicional (como ordenação do material) quanto forma arquitetônica (controle emocional, o valor da aspiração e a tensão).

Bakhtin diz que as formas arquitetônicas são as formas dos valores morais e físicos do homem estético, as formas do acontecimento em seu aspecto de vida particular, social e histórico, são realizações e aquisições. São formas de existência estética na singularidade de uma obra. A forma arquitetônica escolhe uma forma composicional.

Na segunda parte da obra, trata do problema do conteúdo e logo na primeira página aborda a questão da cultura e do ponto de vista do autor como questões centrais de sua teoria. O ponto de vista do criador da obra artística, ou mesmo outro enunciado concreto de criação verbal, encontra justificação e fundamento apenas na interação com outros pontos de vista. É na fronteira dos enunciados, com outras esferas, outros discursos, outros interlocutores e em diálogo com outras unidades culturais, que a obra mostra de fato sua singularidade. A partir disso, a arte cria uma nova relação, uma nova axiologia com o que já se tornou realidade para o conhecimento (cognitivo) e para o ato (ético). Na obra de arte, o conteúdo se apresenta formalizado, isto é, conteúdo e forma se interpenetram, são indissolúveis para a análise estética. O artista deve ocupar uma posição estética em relação à realidade extraestética do conhecimento e do ato. Forma e conteúdo são dois sistemas axiológicos que se encontram numa interação essencial e axiologicamente tensa. O trabalho técnico desenvolvido pelo artista não pode aparecer na obra de arte. O processo de realização do objeto estético é um processo de transformação sistemática de um conjunto verbal compreendido linguística e composicionalmente no todo arquitetônico de um evento esteticamente acabado. As relações linguísticas e composicionais transformam-se em relações arquitetônicas extraverbais. Bakhtin diz que é importante compreender justamente a “originalidade do objeto estético”, isto é, a originalidade da ligação puramente estética dos seus elementos, da sua arquitetônica.

A forma deve ser tratada de duas maneiras:

  • A partir do interior do objeto estético puro, como forma arquitetônica axiologicamente voltada para o conteúdo.

  • A partir do interior do todo composicional e material da obra – estudo da técnica da forma realizada no material e determinada pelo objeto estético.

A forma arquitetônica também deve ser observada enquanto forma do conteúdo, com a unificação e organização dos valores cognitivos e éticos.

O autor-criador é um elemento / aspecto constitutivo da forma artística. Ocupa uma posição criativa / produtiva em relação ao material e ao conteúdo. Ele penetra no acontecimento isolado e nele se torna criador sem se tornar participante. Essa não participação na obra o torna autor.

“O autor, como momento constitutivo da forma, é a atividade, organizada e oriunda do interior, do homem como totalidade, que realiza plenamente a sua tarefa. (…) A personalidade do criador é invisível e inaudível, mas é interiormente experimentada e organizada como uma atividade que se ouve, se move, se lembra, uma atividade não encarnada, que encarna, e em seguida já está refletida no objeto formalizado (p.68). O objeto estético é uma criação que inclui em si o criador, nela o criador se encontra e sente intensamente a sua atividade criativa. (…) (p.69).”

O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica – Pavel Medviédev

Inti Queiroz e Sheila Grillo

Na obra “O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica” (Trad. E. Vólkova e S.C. Grillo. SP: Contexto, 2012), aparecem os termos “construção arquitetônica”, “sentimento arquitetônico”, “arquitetônica” e apenas em uma passagem: na seção “As tarefas construtivas da arte”, p. 92, em que o autor faz uma revisão dos princípios do formalismo da Europa Ocidental. As expressões “construção arquitetônica” e “sentimento arquitetônico” estão em uma citação do teórico da arte e escultor alemão Adolfo Hildebrand, presente na obra “O problema da forma nas artes plásticas” (trad. Francesa “Le problème de la forme dans les arts plastiques”. Trad. E. Beaufils. Paris: L’Harmattan, 2002). A “arquitetônica” é a unidade construtiva da obra de arte em que a atividade artística prevalece sobre a imitação da realidade extra-artística. A “primazia da função construtiva” concebe a obra como uma totalidade autossignificante e construtiva que determina o modo da introdução do conteúdo objetivo (da realidade extra-artística) no seu interior. O termo “arquitetônica” não aparece mais em “O método formal”, mas as expressões “construção da obra poética” e “construção poética” ocorrem reiteradamente e parecem ser seus termos equivalentes. De acordo com o método sociológico, o meio/horizonte ideológico e a avaliação social são conceitos e princípios fundantes da construção da obra poética (ou da literatura).

Para Medviédev, a obra de arte deve ser vista como uma “totalidade fechada em si” e seus aspectos encontram significado no exterior da obra. Ele entende que a arquitetônica para Hildebrand representa a “unidade construtiva da obra”. Uma obra de arte “é parte de um espaço real e está organizada como uma unidade” e esta unidade é “autossignificante e construtiva”.

Em diversas partes do livro, Medviédev trabalha com a expressão “unidade de construção” referindo-se ao material construído e transformado e organizado formalmente em unidade poética por meio de questões sociais e históricas, como um acontecimento da comunicação social. Diz ainda que “O significado construtivo de cada elemento somente pode ser compreendido na relação com o gênero” (p.194). Chama atenção para a importância da dupla orientação do gênero na totalidade artística. Nesta dupla orientação, primeiro o gênero se orienta aos ouvintes e receptores em determinadas condições de realização e percepção do ato e em segundo plano, está orientada à vida, a partir de seu conteúdo temático. Uma orientação é determinada pela outra a partir de uma relação de interdependência indissolúvel. Pra ele, cada um dos Gêneros efetivamente essenciais são “um complexo sistema de meios e métodos de domínio consciente e de acabamento da realidade”. (p. 198)

A questão da autoria no livro de Medviédev é pensada em diversos pontos em diálogo com o conceito de avaliação social. Para ele é a avaliação social que atualiza o enunciado, que determina a escolha do objeto, da palavra, da forma, conteúdo e da combinação entre eles.  Ele diz que é a “avaliação social que organiza a comunicação” ainda que esteja diretamente ligada a um ser, é prioritariamente social e ideológica e será realizada no gênero. “O artista deve aprender a ver a realidade com os olhos do gênero” (p. 199). Medviédev compreende a importância da interação no processo de criação do enunciado e novamente aborda o gênero como ponto central dessa criação e interação quando fala que a escolha do gênero depende da “lógica social objetivo das inter-relações”. (p.220)

Debate sobre o tema

No debate sobre os textos selecionados, os participantes do grupo de pesquisa buscaram trazer contribuições para a reflexão partindo dos conceitos evidenciados, mas também relembrando outros textos do Círculo em alguns momentos. A professora Sheila, ao falar sobre o livro de Medviédev, ressalta a importância de percebermos a discussão e o diálogo com o formalismo ocidental quando ele fala do conceito de arquitetônica na página 92 da obra desse autor. Luiz Rosalvo fala da forma arquitetônica como percepção cultural e ideológica. Arlete relembra a questão da forma arquitetônica diretamente ligada ao conteúdo e aos valores. Simone, em diálogo com o grupo, fala da arquitetônica em dois níveis distintos porém em diálogo: o cultural, histórico e social, de um lado, e a singularidade da obra, de outro.

Após um exercício de reflexão, o grupo concorda que a forma arquitetônica é percebida num determinado enunciado a partir de um conjunto de percepções culturais, históricas, sociais, ideológicas, construída por uma forma composicional numa singularidade estética. Os valores ideológicos assumidos por um determinado autor, ao se apropriar de determinado material, organiza o transforma em uma obra com forma e conteúdo.

Discussões anteriores do grupo sobre os temas tratados:

O problema do conteúdo do material e da forma: https://circulobakhtiniano.wordpress.com/2012/03/

Forma: https://circulobakhtiniano.wordpress.com/2012/04/28/forma/

Forma composicional https://circulobakhtiniano.wordpress.com/2012/04/

Forma arquitetônica: https://circulobakhtiniano.wordpress.com/2012/05/02/forma-arquitetonica/

Bibliografia:

BAKHTIN, M.M. O problema do conteúdo do material e da forma na criação literária. In: Questões de literatura e estética: A teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 13 – 70.

BAKHTIN, M.M. Probliéma formy, soderjániia i materiála v sloviésnom khudójestvennom tvórtchestve. BOTCHAROV, S.G. NIKOLAEV, H. I. (Red.)Sobrárinie Sotchiniénii t. 1 Filosófskaia estétika 1920-kh godóv. Moskvá: Rússkie slovári/Iazyki slaviánskoi kultyry, 2003. p. 265-325.

BAKHTINE, M. Problème du contenu, du matériau et de la forme dans l’œuvre littéraire. In: Esthétique et théorie du roman. Trad. Daria Olivier. France: Gallimard, 2004 [1924], p. 21-82.

MEDVIEDEV, P. N. O método formal nos estudos literários. Introdução crítica a uma poética sociológica. Trad. Ekaterina A. . Vólkova e Sheila V.C. Grillo. S. Paulo: Contexto, 2012.